Divulgação

Redes sociais: fatiamento da administração em Ananindeua é tiro no pé do prefeito Daniel Santos

Dia 17 de setembro, de 2021, 12 horas

Divulgação

As redes sociais em Ananindeua andam batendo pesado no prefeito Daniel Santos, cuja carreira política começou, efetivamente, com a conquista de vaga à Assembleia Legislativa com impressionantes 100 mil votos e a pecha de “traição”, que lhe foi atribuída ao largar o PSDB do então governador Simão Jatene para se acomodar na tipoia do candidato Helder Barbalho aos 45 minutos da etapa complementar das eleições. Agora, Dr. Daniel é acusado de fatiar a administração municipal para fins políticos, pouco se lixando, de fato, com o interesse público. É o caso, por exemplo, da Secretaria de Serviços Urbanos do município, entregue ao polêmico deputado federal Olival Marques, eleito com 135 mil sob as orações do pai, o pastor Gilberto Marques, presidente da poderosa Convenção Interestadual de Ministros e Igrejas Evangélicas Assembleias de Deus no Estado do Pará, a Comiadespa.

Parece assédio moral

Como em outros pontos dos rincões paraenses, a Assembleia de Deus e seus pastores abriram uma espécie de “puxadinho” onde se misturam fé e política, como é o caso de Ananindeua. O pastor Olival Marques indicou e obteve a nomeação do secretário de Urbanismo do município, que depois foi substituído por outra indicação do deputado federal, provavelmente mais afinada com seus interesses políticos. Desde então, dizem, o setor desandou. Nas redes sociais, as informações dão conta de que “ninguém consegue trabalhar sossegado” na Secretaria (veja imagem), desde que “o prefeito largou a Seurb com a turma do Olival”, que estaria “detonando com a gestão” O caso passa por assédio moral, no português claro, sob a batuta política de Olival Marques.

O federal evangélico

Olival Marques é deputado federal pelo DEM e um dos destacados membros da igreja conduzida pelo pai. Sua atuação e comportamento em Brasília são considerados pouco ortodoxos para um homem de fé. Dedica especial atenção à liberação de emendas parlamentares que apresenta e cobra – cobra a aplicação dos recursos – e mantém escritório em Brasília comandado por pessoa que diz ser “irmão”. Tão irmão que essa pessoa foi afastada do gabinete da Câmara para dar expediente exclusivo no escritório.

Deixe o seu comentário