O governador Helder Barbalho entregou os veículos para uso exclusivo no atendimento à mulher, através da Polícia Civil e da PM, não para toda a frota policial/Agência Pará.

Um ideia considerada de “jerico” aplicada em veículos da Polícia Civil e da Polícia Militar deu margem a silenciosos protestos na corporação, mas, felizmente, ao que parece, ficou a meio pau: viaturas cor de rosa. Os veículos foram entregues pelo governador Helder Barbalho para servir à Delegacia da Mulher, da Polícia Civil, e para o Projeto Maria da Penha, da Polícia Militar, não para toda a corporação, como chegaram a pensar alguns militares. A arte aplicada é de autoria do artista plástico autodidata Odair Mindelo, cujo trabalho tem frequentado outras mídias em Belém. No Sistema de Segurança Pública do Pará, os veículos estão sendo chamados de “Gaiolas das loucas”.

Não se trata da cor, mas,  
apenas da identidade

Não está de toda sossegada essa iniciativa. Em alguns quarteis, segundo apurou a coluna, fala-se que “rasgaram o regulamento”. Dizem que, se a ideia era fazer algo em relação ao outubro rosa, há um milhão de coisas práticas e eficazes – como dar atendimento preventivo às policiais -, e não apenas propaganda do governo, que “promove a desmoralização das instituições”. A crítica, advertem policiais, não tem relação direta com a cor, mas considera que a cor da viatura é o primeiro fator de identificação das polícias e no governo Helder tem mudado desde o início do mandato. Que fase!

Ajuste em edital estende
inscrições a concurso

O edital do concurso público lançado pela Secretaria de Administração Penitenciária foi alterado para atender às mudanças na lei estadual específica que regulamenta o cargo. Uma das principais modificações foi na nomenclatura do cargo, que passou de agente penitenciário para policial penal. Também houve alteração em um dos pré-requisitos para o cargo, relacionado à CNH, que mudou de categoria “D”, para, no mínimo, a categoria “B” – daí que as inscrições foram prorrogadas e seguem até o próximo dia 22 deste mês.

Empresa implanta plano
de desligamento e assusta

A desastrosa gestão da Emater, sempre inventando moda, tenta agora implantar um tal Plano de Incentivo ao Desligamento Voluntário, alvo de intensas críticas entre os servidores, que já não suportam mais tanta confusão. Segundo os servidores, o montante de indenizações necessário ao programa passaria de R$ 30 milhões. Então, de onde vão tirar essa dinheirama toda. Como a corda sempre arrebenta no lado mais fraco, muitos servidores estão com medo de cair no conto do vigário.

Idosos na alça de mira

O fato é que a atual gestão quer se livrar dos servidores mais idosos para alocar pessoas indicadas pelo partido PRB, leia-se deputado Fábio Freitas, que manda e desmanda na empresa de assistência técnica. Até o concurso público que havia sido autorizado pela gestão anterior foi pelo ralo.

Papo Reto

  • O 56º Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, previsto para 24 a 28 deste mês, totalmente online,  será o maior  congresso no Brasil, com mais de 2,3 mil inscritos, 500 dos quais são palestrantes brasileiros.
  • A presidência do evento será do pesquisados Pedro Vasconcelos, que segue até o final deste ano presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical.
Divulgação
  • A presidente da Comissão Científica é a professora Cléa Bichara, da Uepa (foto).  Lívia Casseb, do Instituto Evandro Chagas e a presidente da comissão organizadora.
  • Pedidos de compra do livro “Sobral Santos Novo Amapá – 40 anos das tragédias fluviais que abalaram o Brasil”, do jornalista (oantagônico) Evandro Correa podem ser feitos pelo através do telefone 9 81262993.
  • O presidente da Câmara, Arthur Lira, garante que não está em discussão mudar a política de preços da Petrobrás, “por enquanto”.
  • Segundo Lira, o projeto que muda o ICMS dos combustíveis é emergencial e não trará perdas de longo prazo aos Estados.
  • Paraguai e Brasil anunciaram parceria contra crimes na fronteira, através do aumento de patrulhamento de policiais na região de Ponta Porã e Pedro Juan Caballero.
  • Democracia para quê? O governo cubano negou autorização para manifestações pacíficas, alegando que tudo não passa de esforços para derrubar o regime comunista do país.

Deixe o seu comentário