Clima de incerteza e medo volta a perturbar servidores do Hospital Abelardo Santos, em Icoaraci: mais de 50 serão demitidos/Agência Pará

As trapalhadas do governo do Pará na saúde pública ganham novo capítulo, agora que a Organização Social Mais Saúde foi selecionada a dedo – pelo próprio governador Helder Barbalho – para substituir a OS Instituto de Saúde Social e Ambiental da Amazônia que, por sua vez, seis meses atrás, foi indicado para o lugar da OS Santa Casa Pacaembu na gestão do Hospital Regional Abelardo Santos, em Icoaraci. Só para esclarecer: a OS Pacaembu, convenientemente defenestrada do hospital, era uma rede de corrupção, segundo a Polícia Federal; o Instituto que a substituiu, acusado de incapacidade técnica; e a OS Mais Saúde, selecionada como nova gestora, idem no item qualificação técnica – sem contar que sua experiência não vai além da gestão de Upas em Santarém e Alter do Chão.  Resumo da ópera: o “Abelardo Santos” continuará sujeito às espertezas da Pacaembu e entre as incapacidades do Instituto Isssa e da OS Mais Saúde, com apenas uma mudança: o quadro de servidores do hospital vai praticamente todo para o olho da rua a partir deste mês.

“Dobradinha” entre gestores
para suprir deficiências

Documentos que circulam no Hospital Abelardo Santos e aos quais a coluna teve acesso apontam que, nesta semana, equipe técnica do Instituto Mais Saúde se apresentou no Hospital Abelardo Santos para reunião com os dirigentes da OS Instituto de Saúde Social e Ambiental da Amazônia cujo resultado foi repassado aos servidores logo em seguida: a equipe diretora da atual gestão vai permanecer à frente do hospital sob a justificativa de que a OS Mais Saúde não possui corpo técnico qualificado para assumir o hospital. Será? A se confirmar – a coluna custa a crer -, isso significa que, ao selecionar a Mais Saúde, o governador Helder Barbalho e a equipe de avaliação da Sespa também não sabiam?

Auditoria da Sespa gera
expectativa entre pessoal

Não é possível. A expectativa entre os funcionários do hospital é de que auditoria recente feita pela Sespa na gestão do Abelardo Santos irá apresentar relatório apontando graves problemas na área assistencial atribuídos à gestão do Instituto, acusado, entre outras coisas pelos servidores, de vender “gato por lebre”, de ser useira e vezeira na prática de assédio moral e de não respeitar direitos trabalhistas. Mais que isso, caem sobre a gestão do Instituto neste momento de transição suspeitas de “viralizar informações negativas” contra a OS Mais Saúde para se manter na gestão como segunda colocada no certame.

Lista de demissões inclui
primeira leva de servidores

Em meio ao pandemônio que abala o Abelardo Santos, apenas uma coisa é real – enquanto o governo do Pará mantém a sete chaves todas as irregularidades apontadas nos últimos seis meses na instituição de saúde, ainda com a perda de vidas e desvios milionários de recursos públicos, além do silêncio sepulcral do Ministério Público, inclusive sobre o “escondidinho” construído pela OS Pacaembu e o destino dado aos respiradores em plena pandemia: a demissão de dezenas de trabalhadores a partir do próximo dia 7, segundo documentos encaminhados à coluna. Veja a lista parcial abaixo:

Deixe o seu comentário