A secretária de Planejamento e Administração, Hanna Ghassan, e o secretário de Turismo do Estado, André Dias: contratos assinados desde o início deste ano têm base em ata de registro de preços originária do Pregão Eletrônico nº 001/2021, da Secretaria de Cultura, cuja titular é Úrsula Vidal/Fotos: Agência Pará.

Deu no Diário Oficial do Estado: em apenas quatro contratos celebrados neste ano, o governo do Pará, através da Secretaria de Planejamento e Administração e da Casa Civil, se compromete com gastos de mais de quase R$ 6 milhões na contratação de empresas especializadas na prestação de serviços de locação de equipamentos para realização de eventos “por todo o Pará”. Menos pela quantidade de empresas e mais pelo valor dos contratos e o alcance de um ano, pode-se prever, sem medo de errar, que o governo tem na agenda enorme quantidade de obras para inaugurar em meio a festas e promoções retumbantes. Ou por outra: a festa e os eventos estão garantidos, mas, cadê as obras?

E a farra continua

No Diário Oficial de hoje, por exemplo, a Casa Civil, sob a batuta de Iran Lima, contratou a M.S Serviços, por período de um ano, por R$ 278,6 mil. Nesta semana, em outra publicação oficial do governo, saiu a contratação da empresa Brasil Shows, com sede no Estado do Amazonas, por R$ 3,3 milhões. No último dia 6, foi a vez da Secretaria de Planejamento, chefiada pela auditora fiscal Hanna Ghassan, anunciar a contratação de uma das empresas do famoso DJ Kleber Barros, a Mídia Center, por R$ 589, 6 mil, com a mesma incumbência. Nos três casos, os contratos situam os futuros eventos em diversas regiões do Estado durante este ano. Em dois casos, por valores cuja fração é o esquisito valor de R$ 600.

Manda quem pode…

Em tempo: também ontem, o Diário Oficial publicou mais um contrato celebrado entre a Mídia Center, do DJ Kleber Barros, e a Secretaria de Turismo, cujo titular é André Dias, com a mesma finalidade, no valor de R$ 1,6 milhão. Assim, ainda que causando constrangimento à maioria dos titulares das secretarias envolvidas no pool de contratações, Kleber Barros, queridinho da secretária de Cultura, Úrsula Vidal, mas, principalmente, do irmão nº 1 do governador, segue na dianteira dos melhores negócios.

Obedece quem tem juízo

Em nota encaminhada à coluna, a Seplad esclarece, “em nome da transparência e em respeito à população”, que a contratação da Mídia Center – e não do DJ Kleber Barros – ocorreu por meio de adesão à ata de registro de preços originária do Pregão Eletrônico nº 001/2021, da Secult, pelo valor global de R$ 589,6 mil, estimado por um ano, e não por evento, como publicado equivocadamente.  A nota destaca que o contrato segue regras e parâmetros legais e as despesas são na exata medida para atender as necessidades institucionais. Bacana, ao menos a Seplad se preocupa em se explicar ao distinto público.

Conteúdo relacionado

Contratos de diretor de rádio do Grupo RBA com governo do Pará somam mais de R$ 8 milhões

Leia aqui.

Papo Reto

Divulgação
  • Tarefa para o Super Jarbas (Vasconcelos, foto): em 2018, o Mapa da Exclusão apontava índice de reincidência de egressos do Sistema Penal de 40,12%. O índice de 2021 aponta 58%. Então, como explicar que com maiores investimentos a situação piorou?
  • O município de São Geraldo do Araguaia está sem presos. A Delegacia de Polícia está à míngua desde abril do ano passado: sem sala de atendimento, sem recepção, sem banheiros e sem alojamentos.
  • O drama não é privilégio apenas de São Geraldo. Fontes da coluna denunciam que o abandono atinge toda a região sudeste. Quer dizer, a segurança está por todo o Pará, menos nas delegacias.
  • A Prefeitura de Belém garante que começou a agir para evitar a destruição total de 15 prédios antigos abandonados há mais de 20 anos.
  • A população de Benevides quer saber do governo do Estado se a obras de reconstrução do hospital municipal foram descontinuadas. A placa já tem um ano de idade.
  • O Museu Goeldi mandou seu corpo científico para a Rio Innovation Week, o mais completo encontro de tecnologia e inovação da América Latina.
  • O evento reúne empreendedores e investidores interessados no uso da tecnologia em segmentos como turismo, saúde, agricultura e sustentabilidade. 
  • Entre as inovações do Museu Goeldi estão um larvicida à base de aninga, planta do gênero Montrichardia, equipamento para uso laboratorial chamado Histomolde, painel feito à base de fibra de açaí, o Ecopainel, e tecnologia para recuperação de solos.

Deixe o seu comentário