Divulgação

Nova natureza científica e tecnológica da OS abre a possibilidade de desenvolvimento de pesquisas avançadas e de prestação de serviço na área de tecnologia supercrítica.

O Conselho de Administração da Associação BioTec-Amazônia aprovou dispositivo da Lei Estadual nº 8.4126/2016, da Resolução Nº 027/2021, que inclui no Estatuto da BioTec-Amazônia o status de instituição científica e tecnológica para fins de desenvolvimento da inovação, da extensão tecnológica e de engenharia não rotineira em bioeconomia.

Assim, a BioTec se firma então como Instituição científica e tecnológica, de natureza privada, habilitada a executar atividades de pesquisa básica ou aplicada ao desenvolvimento, à inovação e à extensão tecnológica, e à engenharia não rotineira, em ambiente de produção, possuindo ou não atividades voltadas à formação superior de recursos humanos.

A nova natureza científica e tecnológica da organização propicia a possibilidade de desenvolver pesquisas avançadas, como é o caso do estudo do genoma do açaí. O projeto vai trazer informações até então desconhecidas de uma fruta tão importante para Amazônia e para o mundo, por conta da internacionalização de produtos à base do açaí brasileiro.

O pesquisador Artur Silva, diretor técnico-científico da BioTec-Amazônia e coordenador do Laboratório de Engenharia Biológica é quem vai realizar o estudo. Outro exemplo de pesquisa vem acontecendo no Laboratório de Tecnologia Supercrítica, e que também faz parte do grupo de laboratórios da UFPA que dão suporte à BioTec-Amazônia. Até então, o LabTecs não existia dentro do Parque de Ciência e Tecnologia Guamá.

Deixe o seu comentário