O navio “Sobral Santos II”, que naufragou fazendo 300 vítimas fatais integra a obra de Evandro Correa. Lançamento em Belém será nesta sexta-feira/Arquivo

A obra narra detalhes e revela fatos novos sobre dois naufrágios, passando pela ambição dos proprietários de embarcação e a negligência das autoridades portuárias com relação à navegação na Amazônia

Empresários do ramo de navegação estão incomodados com o livro “Sobral Santos Novo Amapá – 40 anos das tragédias fluviais que abalaram o Brasil”, obra que chega nesta semana às livrarias. Da lavra do jornalista Evandro Corrêa, editor do polêmico site O Antagônico, a obra reconta a história de dezenas de naufrágios registrados nos rios da Amazônia matando mais de mil pessoas.

Em Santarém, por exemplo, onde o livro será lançado semana que vem, os empresários Antônio Rocha e Erlon Rocha, respectivamente pai e filho, pressionaram e conseguiram que a obra não fosse lançada no salão da Associação Comercial. Os motivos são para lá de evidentes: Antônio Rocha, que é ex-deputado e ex-vereador é proprietário do navio “Cisne Branco”, que outrora se chamava “Sobral Santos II”, que foi a pique no Porto de Óbidos no dia 19 de setembro de 1981, matando mais de 300 passageiros. Erlon Rocha, que é vereador em Santarém, é dono do navio “Ana Karolinne III”, que naufragou ano passado em Almeirim, ceifando a vida de mais de 40 pessoas.

A obra narra detalhes e revela fatos novos sobre os dois naufrágios, passando pela ambição dos proprietários de embarcação e a negligência das autoridades portuárias. O livro, que já vendeu mais de 300 exemplares antes de chegar às bancas, será lançado em Belém nesta quinta-feira, 14, no auditório da Livraria Saraiva, no 2 piso do Doca Boulevard Shopping, a partir das 19 horas. Em Santarém, a noite de autógrafos acontece dia 19, terça-feira, às 20 horas, no auditório do Hotel Barrudada. A obra também será lançada em Itaituba, no dia 21 de outubro, quinta-feira, no auditório do Hotel Acácia, a partir das 19 horas.

Deixe o seu comentário