Divulgação

Deputados concluem diligências
nas instalações da Vale, mas
foco são obras não executadas

Não é verdade que a CPI criada por inspiração do governo do Pará contra a Vale começa a atirar no que vê para acertar no que não vê. Hoje, a Comissão encerra a temporada de diligências nas instalações da empresa, na região de Carajás, sudeste do Estado (foto), embora suas excelências saibam de antemão que a ideia “não é bem essa”. Na verdade, a ordem é apertar o torniquete até o que julgam ser o “ponto de estrangulamento”, aquele em que a Vale dirá se irá retomar projetos engavetados, garantindo ao governador munição para levar ao palanque na campanha eleitoral.

Para inglês ver

As diligências integram o leque de ações previstas no plano de trabalho da CPI e consistem na verificação in loco do sistema de segurança de barragens da mineradora – também para inglês ver: essa seria uma providência extensiva às operações de outras mineradoras em regiões distintas e bem conhecidas do Estado, o que não acontece, nem irá acontecer. Para não perder a viagem, a CPI também conhecerá o sistema de produção na mineradora.

Aos fatos

A Vale tem longa trajetória no Pará e isso é parte do pouco que os integrantes da Comissão sabem da mineradora. A questão principal é que grandes projetos acordados com o governo do Estado não saíram do papel, entre eles a instalação de uma unidade da tecnored, para produção de ferro gusa de baixo carbono, ou o gusa verde, além de outros que, tecnicamente, seriam inviáveis e, como se diz, não passaram de promessas. E promessas, tanto da iniciativa privada quanto do próprio governo, o vento leva.

Velho bordão

Autor da proposta de criação da CPI, o deputado Ozório Juvenil (foto) diz que o Parlamento quer saber “quais os projetos estruturantes” para o desenvolvimento do Pará e atendimento da população, alegando que, em 2020, em plena pandemia, a mineradora teve lucro de R$ 4,8 bilhões, mas “não compartilha” sua riqueza com o Estado há 40 anos. Assim, com esse bordão, a Comissão também promete apurar questões como concessão de incentivos fiscais à empresa e o suposto descumprimento de condicionantes ambientais.

Divulgação

Olho vesgo

Chama atenção no estudo divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, o Ipea, sobre os 120 municípios mais violentos do País a presença de Altamira e Marabá, que aparecem em 12º e 15º lugares, respectivamente. Quatro cidades do Ceará estão entre as dez mais violentas do Brasil. No caso do Pará, é fato que o governo concentrou o Programa Territórios pela Paz em sete bairros da Grande Belém e esqueceu o restante do Estado.

Teremos Círio?

A Arquidiocese de Belém e a Diretoria da Festa trabalham com o tempo para decidir e fechar a programação do Círio deste ano. A estimativa é de que, até agosto, de acordo com os dados epidemiológicos até lá disponíveis, a Igreja Católica se manifeste sobre a realização da festa, ou não. Dia 8 de agosto, exatamente, os organizadores do evento devem anunciar a programação, elevando a mil as expectativas da população católica.

Muito lixo

Moradores da comunidade Fé em Deus, no bairro do Tapanã, em Belém, estão na bronca com a Prefeitura de Belém dada a quantidade de lixo acumulada na principal rua do local. Como já faz tempo que o carro do lixo não passa por lá, moradores de comunidades vizinhas passaram a despejar entulhos no local, que também é alvo dos velhos e conhecidos “carrinheiros”.

Mesma fonte

O novo ministro do Meio Ambiente, Joaquim Álvaro Pereira Leite, é ninguém mais do que o secretário da Amazônia e Serviços Ambientais do governo, apoiado por ruralistas e, como o demissionário Ricardo Salles, ex-conselheiro da Sociedade Rural Brasileira. A nomeação de Leite passou pelo crivo do presidente da Câmara, Arthur Lira. Assim, Meio Ambiente entra na era de coalizão do presidente Jair Bolsonaro, iniciada com a eleição de Lira para a presidência da Câmara.

Ambiente de negócios

A Câmara aprovou a MP da melhoria do ambiente de negócios. O relator tirou do texto previsões sobre o chamado preço de referência e, com aval do Ministério da Economia, o assunto será tratado separadamente. Em nota, o Ministério da Economia afirmou que a exclusão desse trecho não significa que a prática de preços mínimos esteja permitida e que o procedimento já não é mais adotado pela secretaria de Comércio Exterior.

Pombo correio

O dito popular segundo o qual “mais vale um pássaro na mão do que dois voando” cabe bem ao industrial chinês anônimo que arrematou em leilão um pombo correio belga do sexo feminino R$ 10 milhões. New Kim foi considerado a joia rara do leilão envolvendo centenas de pássaros, quando o criador belga Gaston Van de Wouwer, de 76 anos, se aposentou e não pode mais manter o pombal. Todas as 445 aves pertencentes ao criador belga foram colocadas à venda que, ao final rendeu mais de R$ 35 milhões.

  • Decididamente, o prefeito Edmilson Rodrigues não aparece bem nem mesmo na foto dos próprios correligionários. “Tá selado” que nada…
  • O navio auxiliar “Breves” prestou apoio à campanha de vacinação da Secretaria de Saúde de Belém contra a Covid-19 no Terminal Hidroviário Ruy Barata, na Praça Princesa Isabel,  Condor
  • Na ocasião, foram imunizadas 2.460 pessoas. O evento, dia 17 e 18 passados, foi coordenado pela Secretaria, em parceria com o Comando Conjunto Norte e suporte da Guarda Municipal de Belém.
Divulgação
  • Presidente da Faepa, Carlos Xavier (foto) comemorou o recorde de verba disponibilizado pelo Banco do Brasil para o Plano Safra 2021-2022.
  • Xavier reconhece a necessidade do expressivo apoio ao setor que, segundo ele, “fez toda a diferença nesta pandemia, contribuindo decisivamente com a economia e a geração de empregos”.
  • A cultura da palma, no Pará, não para de expandir fronteiras, destacando-se como um segmento que se recusa admitir crise. Mas, a falta de isonomia nos incentivos do governo gera desequilíbrio na competitividade comercial, dificultando a consolidação de projetos.
  • O STF concluiu o julgamento que declarou o ex-juiz Sergio Moro suspeito em condenações do petista Luiz Inácio Lula da Silva no âmbito da Lava Jato.
  • Com placar de 7 votos a favor e 4 contrários, a Corte reforçou a candidatura do ex-presidente em 2022.
  • O governo pedirá investigação por fraude e denunciação caluniosa do deputado Luís Miranda e de seu irmão, servidor do Ministério da Saúde, sobre as denúncias de irregularidades na compra da vacina indiana Covaxin.
  • A ministra Tereza Cristina, da Agricultura, é uma das mais beneficiadas pela troca de Ricardo Salles no Ministério do Meio Ambiente.
  • Logo após o anúncio da demissão, outras pastas afetadas pelo desempenho polêmico do ex-ministro passaram a traçar projetos para trabalhar com o substituto.
  • O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, negou pedido do governo para derrubar decretos de três Estados sobre medidas restritivas contra a pandemia.
  • Arthur Lira e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, se reuniram com o presidente do STF, Luiz Fux, para reforçar a importância do projeto de autonomia do Banco Central. O julgamento do “vício de iniciativa” da proposta será retomado hoje.
  • A Câmara aprovou a medida provisória que aumenta a CSLL dos bancos de 20% para 25% até 31 de dezembro deste ano. Os deputados rejeitaram mudanças do Senado e voltaram a prever benefícios à indústria química até 2025.

Deixe o seu comentário