Daniel Santos, eleito deputado estadual com cerca de 100 mil votos, foi presidente da Assembleia Legislativa em primeiro mandato, de onde saiu para se eleger prefeito de Ananindeua, na Grande Belém. Sua suposta “herança” causa desconforto ao sucessor Chicão Melo, vice-governador de fato do Estado/Divulgação.

Pode ser apenas “fogo de palha” – afinal, não há nada que não faça ao estalar de dedos do governador Helder Barbalho -, mas o presidente da Assembleia Legislativa, Chicão Melo, tem confessado às paredes que não irá fechar o rombo deixado por seu sucessor, o ex-deputado Daniel Santos, atual prefeito de Ananindeua, de cerca de R$ 8 milhões correspondentes a repasses não horados do INSS ao longo de 23 meses de administração na Casa – e olha que passar a perna no INSS é crime grave. Para quem lida com milhões e milhões, esse valor é pura merreca, o que leva os observadores da cena a arriscar o palpite segundo o qual Chicão Melo tem sido apenas “intempestivo” ao tratar do assunto.

Valor do calote segue
guardado a sete chaves

O real valor do suposto “rombo” – o assunto é reservado às altas esferas do Poder Legislativo estadual e talvez ainda nem tenha sido levado ao gabinete do governador – não será conhecido pela transparência da Assembleia, com certeza. Contudo, ao sabor das especulações, os comentários são terrivelmente contundentes contra Daniel Santos: envolvem suposta compra de fazendas, crescimento geométrico do hospital de sua propriedade – o Santa Maria, em Ananindeua – e campanha eleitoral extemporânea para “alavancar” a candidatura da mulher dele a cargo eletivo com uso de avião King Air…   

Deputados confirmam
rombo e responsabilidade

 “A dívida existe”, garantem dois deputados ouvidos pela coluna, acrescentando: “… é de responsabilidade do Dr. Daniel”, mas, “se o presidente vai pagar são outros quinhentos”. Nenhum dos parlamentares ouvidos soube precisar o valor da “herança”, mas, convenhamos, não deve ser nada que não possa ser resolvido a partir do Palácio do Governo, se até lá o Ministério Público Federal não botar o dedo no suspiro do doutor.

Papo Reto

  • Dizem que na Santa Casa é tanto nepotismo da mesma família que a instituição passou a ser chamada pelo nome de “Santa Casa de Misericórdia Carmona”.
  • Agora, sim: o Remo depende única e exclusivamente dele para permanecer na Série B do Brasileirão. Domingo, último jogo da rodada, tem que ter muita confiança para vencer.
  • O que se diz é que um ex-presidente do clube ainda está disposto a pagar “bicho” de R$ 500 mil pela vitória. O dinheiro estava disponível no jogo passado, mas a equipe não rendeu o esperado
  • A operadora Claro terá, até 20 de dezembro, 16 antenas 5G já funcionando em Belém, e mais sete até fevereiro. A operadora Vivo conta nove antenas.
  • O volume de energia elétrica furtada em 2020 no País por meio dos populares “gatos”  é equivalente ao consumo anual de todo Estado do Paraná, com quase 12 milhões de habitantes.
  • A perda estimada de receita é de R$ 3,3 bilhões anuais com as fraudes, conforme dados da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica. No Rio de Janeiro, mais de 50% da energia distribuída é furtada.
  • A Secretaria Nacional do Consumidor recomenda a todo consumidor ficar de olho nos riscos de golpe durante compras na Black Friday
  • Muito cuidado com a “esmola grande”. Jamais compre algo sem observar a reputação da loja. Guarde registros da compra e, claro, pesquise se o site tem conexões seguras.
  • O Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade e Evolução do Museu Paraense Emílio Goeldi promove seu terceiro Seminário Científico até amanhã.
  • O objetivo é que pesquisadores de mestrado e doutorado do programa compartilhem com o público as pesquisas que estão desenvolvendo.
  • Além das apresentações, o evento oferece aulas públicas e palestras sobre temas como crise climática, saúde do pós-graduando, inserção no mercado de trabalho, divulgação científica e a atuação de mulheres na ciência.

Charge do dia

Deixe o seu comentário