Até quando?

Odebrecht identifica inconsistências no
projeto e desiste do BRT Metropolitano

Terça-feira, 3 de agosto de 2021

Está mais fácil a Igreja Católica levar o Círio às ruas em outubro deste ano do que o BRT Metropolitano (foto) – executado pelo governo do Estado com ajuda da Jica – ser concluído até o final de 2022, ano de eleição. Exagero? Não. O último capítulo sobre o projeto é dramático: no dia 23 der julho, a construtora Odebrecht desistiu da obra ao constatar a existência de nada mais, nada menos do que 53 inconsistências no projeto que, no papel, é atribuído à empresa Concremat, mas supostamente elaborado por afilhados políticos do governo. Pior: a construtora já comunicou a Jica sobre os problemas e o imbróglio está formado.

Saia justa

A decisão da Odebrecht colocou o governo e seu Núcleo de Gerenciamento Metropolitano em saia justa. Das 53 inconsistências do projeto, a maior parte se refere à área de drenagem. Os “técnicos” responsáveis pelo projeto não levaram em conta, por exemplo, a rede de dutos da Cosanpa que leva água para Ananindeua e que, submetida a eventual intervenção, provocaria a interrupção do fornecimento por dias, talvez semanas. Essa falha no projeto desde já explica os alagamentos ao longo da BR-316, os mesmos que agora o governo quer reparar com ajuda das prefeituras da região metropolitana.

Quem vai querer?

As obras do BRT Metropolitano, aliás, não atingiram 30% do total, embora venham sendo acompanhadas por técnicos japoneses um semestre sim, outro não. O que vai acontecer com a saída da Odebrecht: o governo teria que convocar a segunda empresa colocada no certame, a Marquise, do Ceará, que dificilmente aceitará a tarefa. O contrato estabelece que, nessas circunstâncias, a empresa teria que se submeter aos preços cobrados pela primeira colocada, a Odebrecht. A pergunta é: o que os japoneses vão dizer em casa?

Casa de Noca

O PRB está fazendo a festa eleitoreira no comando da Emater, órgão do governo do Pará com mais capilaridade presente fisicamente em todos os 144 municípios e com uma influência única nas mais distantes comunidades. Com verbas sobretudo do Ministério da Agricultura e do Meio Ambiente, os deputados Fábio Freitas e Vavá Martins alocam recursos humanos e estruturais da empresa para fazer pré-campanha: se não é acordo descarado de compra de votos, com absoluto desrespeito à legalidade, bem parece.  

Divulgação

Dá ou desce

Agricultores se dizem chantageados para acessar direitos como crédito rural do Pronaf e Cadastro Ambiental. Ribeirinhos vêm trocando sua cidadania por cestas-básicas (foto), assentados da reforma agrária padecem ameaçados quanto à posse de seus lotes. Pescadores só têm acesso a seguro-defeso se aceitarem o correligionarismo. A situação é mais crítica na Região Metropolitana de Belém. É o “novo normal” do dízimo evangélico universal na arena da governança de Hélder Barbalho. 

Sem medo

Assessores especiais da atual gestão da Emater estão viajando pelo interior do Estado usando dinheiro público para fazer alianças e traçar estratégias políticas para 2022. Como se sabe, a meta do PRB, partido da Igreja Universal que comanda a Emater é fazer cinco deputados estaduais. Semana passada, o assessor Acácio Luiz Lucas dos Santos percorreu municípios da Transamazônica para fechar parcerias. O mais impressionante é que sem a menor cerimônia: publicou tudo nas redes sociais.

Risco de morte

O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa, deputado Carlos Bordalo, publicou nota, ontem, em que manifesta total apoio a Gislane Souza Soares, vice-presidente da Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado do Pará e seu  mais absoluto repúdio às ameaças de morte que a sindicalista vem sofrendo em decorrência de sua atividade exercida. 

Dia dos Pais

Pesquisa da operadora Tim aponta que 84% dos entrevistados têm intenção de presentear em uma das datas mais importantes para o comércio. No entanto, o mimo deve ser só uma lembrancinha, com valor até R$100, segundo 46% dos ouvidos. Vestuário e perfume figuram no topo da lista dos itens a serem comprados, com 27% e 17%, respectivamente. O levantamento foi feito com cerca de 13 mil moradores do Pará.

Aliás

Menos de um ano após ser lançado, o Pix parece que veio para ficar como principal meio de pagamento dos moradores do Pará. Na compra do presente do Dia dos Pais, o pagamento instantâneo superou os cartões de débito e crédito como opção no momento da compra (17%) e só perdeu para o pagamento com dinheiro em espécie, opção para 46% dos entrevistados. Os tradicionais cartões de crédito e débito aparecem na sequência, com 13% e 11%, respectivamente. 

  • Novo decreto do governador Helder Barbalho espicha por mais um mês a interinidade do delegado de Polícia Federal Rômulo Rodovalho na Secretaria de Saúde do Estado.
Divulgação
  • Na Secretaria, especula-se que Rodovalho (foto), que foi nomeado secretário-adjunto de Segurança Pública, não poderia ser cedido pela PF para outro cargo no Estado, o que, supostamente, estaria levando o governo a usar de artimanhas para tal.
  • Pelo sim, pelo não, é mais uma dentre tantas coisas estranhas da gestão de Hélder Barbalho no governo do Pará.
  • Apesar de reinaugurado com pompa e circunstâncias na última quarta-feira, com a presença do governador, o Terminal Rodoviário de Conceição do Araguaia segue fechado ao público sem a menor previsão de abertura.
  • A Ures-Reduto, unidade de saúde da Prefeitura de Belém, estava sem água de beber, como se diz, durante todo o dia da última segunda-feira.
  • Uma dor de cabeça e tanto para a diretora do posto, a ex-vereadora de Marapanim Inês Rosa, que vem a ser mulher do atual vereador Baiano de Marapanim.
  • O ministro da Cidadania, João Roma, garante que o novo Programa Bolsa Família será instituído nesta semana por medida provisória, dentro do Teto de Gastos, mas  ainda sem definição do valor. O mercado se estressou ontem com rumores de que os pagamentos chegariam a R$ 400.
  • Aliás, Roma enviou ao Congresso Proposta de Emenda à Constituição sobre o pagamento dos precatórios, que ameaçam acabar com a folga no Teto de Gastos em 2022.
  • A Casa Civil do governo afirma que a PEC estabelecerá regras à parte para os chamados “superprecatórios”, de valor mais alto, permitindo o parcelamento das dívidas judiciais da União acima de R$66 milhões.
  • Segundo a Casa Civil, não haverá exceção de despesas permanentes e recorrentes ao Teto de Gastos no pagamento dos precatórios. Além disso, a PEC deve prever um fundo para o pagamento dos passivos e possíveis parcelas extras de programas sociais.
  • A Uber vai expandir o Uber Moto, uma nova modalidade da plataforma no Brasil, para a cidade de Belém.

Deixe o seu comentário