Comissão de Saúde da Alepa
quer abrir “caixa preta” das OS

O deputado Jaques Neves, do PSC, foi reconduzido à presidência da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa e, como nos anos anteriores, continua lutando para abrir a “caixa preta” das organizações sociais que gerenciam os grandes hospitais do Pará. A morosidade para implantação do serviço de hemodiálise no Hospital Regional do Marajó, por exemplo, é um dos casos mais emblemáticos envolvendo essas instituições.

Mal a pior

O Hospital Regional de Marabá está há dois anos com o aparelho de ressonância magnética quebrado e, pasmem, sem que ninguém se mobilize para resolver o problema. Só em São Geraldo do Araguaia, um entre muitos municípios que dependem da unidade, a fila para realizar esse tipo de exame ultrapassa 500 pessoas. Na região, quem pode, recorre a Goiás e Palmas, onde é mais fácil chegar por estrada do que a Belém.

Quedo e mudo

O titular da Secretaria de Saúde, delegado de Polícia Federal Rômulo Rodovalho (foto), mantem-se em silêncio sobre qualquer assunto dessa natureza. Sempre que convidado a participar de audiências ou reuniões a resposta é a mesma: Rodovalho não é autorizado a conceder entrevistas. Mas, o silêncio no alto escalão da Sespa é tão gritante que a proibição parece estar muito mais ligada à precaução do que à exposição de qualquer assunto.

Divulgação

Dá medo

Já é de domínio público o clima de pânico que se instalou no Hospital Abelardo Santos por culpa de uma nebulosa transição da OS que sai – a Santa Casa do Pacaembu -, e a que entra – o Instituto de Saúde Social e Ambiental da Amazônia (Issaas). O que se diz é que esse Instituto “não possui expertise ou qualificação técnica para gestão hospitalar de média e alta complexidade”. Com as mudanças no comando na gestão do hospital, faltam insumos e equipamentos básicos nas enfermarias e blocos cirúrgicos, ameaçando muitas vidas.

Acordo quebrado?

“Circular” atribuída ao Comando Vermelho datada da última terça-feira denuncia que suposto acordo firmado com a direção do Sistema Penitenciário do Pará não foi cumprido e libera seus integrantes “a matar, a partir desta data, onde estiver um agente penal e a explodir onde houver um órgão público, pontes e etc…”. O documento explica que o acordo previa garantir “respeito aos irmãos  no privado”, deixando-os pagar “suas dívidas perante

a Justiça” e encerra: “Creio que não ficou brechas (sic) para armazenamento de dúvidas”.

Tenha dó

Verdade seja dita, a se confirmar essa história toda: um Estado que, supostamente, faz acordo com uma organização criminosa não pode se arvorar em dizer que defende a sociedade. Muito pelo contrário; é compactuar com a criminalidade que assola o seu território, ceifando vidas diariamente e que aterroriza cada cidadão. Acordar com criminosos é pensar só na imediata repercussão política para impedir perdas de votos. É pensar única e exclusivamente na política, em detrimento da vida dos cidadãos.

Pingo nos is

Estudo da Fiocruz sobre a ocupação de leitos de UTI para Covid-19 no SUS, com dados do último dia 8, coloca o Pará fora da zona considerada crítica, passando de 82% para 75% de ocupação dos leitos de UTI. Segundo a Fundação, apenas Belém (75%) e Maceió (73%) estão com taxas de ocupação inferiores a 80% entre as 27 capitais do Brasil. Também estão fora da zona de risco o Amapá, Paraíba, Alagoas, Espírito Santo, Rio e Minas Gerais.

Sim e não

O governo do Pará atribui a posição do Estado em último lugar no Programa Nacional de Vacinação a prefeituras que recebem o imunizante, aplicam, mas não lançam os dados correspondentes no sistema do Ministério da Saúde. Um caso emblemático aparece em Jacareacanga. Segundo o governador Helder Barbalho, ao menos 16 mil doses de vacinas foram encaminhadas a comunidades indígenas da região, mas não há registra da aplicação.

Explique-se

Embora sem confirmação oficial, as redes sociais divulgaram, no final da semana passada, que o Ministério da Saúde esqueceu, em um depósito no Pará, 16 mil doses da vacina contra a Covid-19 que deveriam ser aplicadas em povos indígenas do Estado. Noves fora a coincidência dos números – e, pelo sim, pelo não -, se isso não é mais uma falha de logística do MS é um verdadeiro descaso com a vida humana, mas ninguém cobrou providências.

Ao largo

O imortal Sebastião Godinho publicou artigo no jornal “O Liberal” em que pede “respeito ao Casarão da Trindade”, referindo-se ao prédio que, no passado, foi residência oficial de governadores e teria sido adquirido por uma Igreja Evangélica. O imóvel fica ao lado da igreja da Trindade e, além de um templo, obrigará uma emissora de rádio. Godinho critica o fato de que não se vê, no local, uma placa identificando a reforma do prédio, mas apenas operário trabalhando diariamente, operação aparentemente ignorada pelo Iphan.

Enfim…

A Comissão de Patrimônio Cultural do Instituto Histórico e Geográfico do Pará promete se posicionar publicamente contra a doação do prédio centenário ao lado da Igreja da Trindade para a Assembleia de Deus. A Comissão destaca que o imóvel foi a primeira residência dos governadores do Pará e a doação implica “desvio de finalidade”, seja lá o que isso significa. Bem, pelo menos há quem esteja preocupado com a situação.

Olho na tela

Desportista paraense vê “falha de probabilidade matemática” no regulamento da Champions League: a vantagem do gol na casa do adversário se estende para os 30 minutos da prorrogação, que ocorre quando o resultado da soma dos placares dos  jogos de ida e volta dá empate. Assim, o clube que joga a segunda fora de casa leva enorme vantagem, como aconteceu no jogo de volta Juventus x Porto, sendo 2 a 1 para o Porto e 3 a 2 para a Juventus. O Porto foi classificado por ter feito o segundo gol na prorrogação.

Justiça digital

A 1ª Vara da Justiça Federal em Belém, que tem competência para julgar matérias de natureza cível, concluiu a digitalização de mais de 3 mil processos, que já encontram tramitando exclusivamente por meio eletrônico. Atualmente, a unidade conta com 4.180 feitos em andamento, todos eles acessíveis no sistema PJe durante as 24 horas, todos os dias da semana, inclusive feriados.

E mais

A 2ª Vara, igualmente de competência cível, também já encerrou a digitalização de todo o seu acervo. Por enquanto, todos os processos já estão disponíveis em meio eletrônico, à exceção dos suspensos com recursos pendentes de julgamento, que somente serão migrados para o PJe quando o recurso for apreciado no TRF da 1ª Região. Na 3ª Vara, todos os feitos estão digitalizados.

  • O professor Carlos Maneschy está internado no Incor de São Paulo. Apresenta comprometimento pulmonar, mas seu estado de saúde é estável e animador. 
  • Aliás, o Incor foi o único hospital em que a família Maneschy conseguiu leito, mesma dificuldade de outras paraenses que procuram atendimento fora do Estado.
  • O presidente da mantenedora da Esamaz, professor Reynaldo Gonçalves, viajou para São Paulo e está internado no Hospital Albert Einstein para tratamento clínico por suspeita de Covid-19.
  • Quem quiser flagrar veículos estacionados em fila dupla nas vias públicas é só dar uma passada nos quarteirões da rua Boa Ventura da Silva com a travessa  D. Romualdo de Seixas. Mas, atenção: há uma unidade móvel de saúde useira e vezeira dessa prática.
  • Pelo menos uma vez a cada dois dias, a Defesa Civil de Belém é acionada em decorrência de incêndios em residências.
  • A média diz respeito ao registrado entre os dias 1º de janeiro e 28 de fevereiro deste ano, período no qual foram atendidas 31 ocorrências dessa natureza.
  • Não estão incluídas na contagem as 18 residências atingidas pelo incêndio na Cremação, no dia 6 de fevereiro, nem as 15 famílias no Distrito de Icoaraci, no último dia 7.
  • O governo do Estado lançou na última segunda o programa “Creches por todo o Pará”. O evento ocorreu de forma reservada, reunindo poucas autoridades.
  • O governo do Pará faz paralelo entre o funcionamento de escolas particulares e os concursos públicos para a manutenção dos certames previstos no âmbito do Estado.
  • Segundo o governador Helder Barbalho, os concursos são aplicados dentro das medidas de segurança preconizadas pela Vigilância Sanitária e não serão adiados.
  • O CNJ lançou o “Prêmio CNJ Juíza Viviane Vieira do Amaral de Proteção às Mulheres Vítimas de Violência Doméstica e Familiar”.
  • A ideia é contemplar experiência, atividade, projeto, programa, produção científica ou acadêmica que contribua para a prevenção e enfrentamento da violência de gênero.
  • Postos de gasolina na Região Metropolitana de Belém estão com esperteza. O cliente manda abastecer com R$ 100 para pagamento no cartão de débito e a conta vem com R$ 1 a mais.
  • Pequenos supermercados da região costumam cobrar R$ 4 a mais em contas na mesma modalidade a título de sabe-se lá o quê.
  • Do ex-corrupto – perdão, do ex-presidente Lula – sobre tudo que está acontecendo: Não tenho mágoas pela condenação e pelo tempo de cadeia. Nem deveria… 

Deixe o seu comentário