Vereador de Belém, Fábio Farah é irmão do diretor Financeiro da Polícia Civil, Giussepe Farah, um dos servidores investigados pelo Ministério Público por se beneficiar de pagamentos supostamente indevidos de diárias/Divulgação.  

Servidores da Polícia Civil do Pará estão sendo investigados pelo Ministério Público por recebimento indevido de diárias, caso em que botavam a mão no dinheiro, mas ficavam aqui mesmo. Um dos investigados é ninguém mais do que o responsável pelos pagamentos, o diretor Financeiro Giusepe Rocco Farah que, embora não seja do quadro da Polícia Civil, é irmão do nobre vereador Pablo Farah, que tem assento na Câmara de Belém. Além de se beneficiarem das diárias indevidas, os servidores investigados  falsificavam os relatórios que eram atestados pelos chefes responsáveis elas supostas viagens. 

Sob o mesmo teto

O que a maioria das pessoas não sabe é que a diretoria de Combate à Corrupção, a mesma que se notabilizou por perseguir blogueiros e jornalistas e que continua pegando no pé de prefeitos que não rezam pela cartilha da atual administração do Estado funciona sob mesmo teto da diretoria Financeira da Polícia Civil. Quer dizer, as falcatruas aconteciam debaixo do nariz dos delegados “da especializada”, dilapidando o rico Erário paraense.

Professora “salga” receita
de alunos de gastronomia

Professora do curso de Gastronomia da Unama vem “salgando” as receitas da classe e provocando o maior quiproquó em sala de aulas e fora dela. Afora o comportamento “extravagante”, como classificam seus alunos – costuma entrar em sala de aula com fones de ouvido, modo meio que descolado demais para a tchurma -, a moça exagera na dose de cobrança: quebra regras pré-estabelecidas nas avaliações e usa cutelo desmedido para cortar na carne de muitos alunos o que mais se persegue na academia: as boas notas. Tecnicamente, seria uma professora “indigesta”, ao menos para a maioria da classe.

Deixe o seu comentário