No Pará, sargento se gaba
de ter “indicado” ao cargo
comandante dos Bombeiros

Divulgação
Sábado, 1 e domingo, 2 de maio de 2021

O corpo de Bombeiros do Pará tem lá sua “eminência parda”, conhecida, ainda que superficialmente, até pela Promotoria Militar do MP. O destemido sargento Odair José Pereira Lima, cuja trajetória na corporação é um mistério, veio à luz ao se autoproclamar porta-voz de importante família política do Estado a ponto de, segundo ele, ter indicado ao cargo o próprio comandante-geral dos Bombeiros, coronel Hayman Apollo (foto). Na corporação, diversas vezes e em público, o coronel mencionou esse fato inédito e bizarro.

Saiu das sombras

Depois de 17 anos na condição de reformado (Boletim Geral nº 077, de 26/04/2005), o cabo Odair José voltou a cantar de galo na caserna, conseguindo a proeza de retornar ao serviço ativo através de um processo administrativo considerado “esquisito e desconfortável” para alguns oficiais, os mesmos que se negaram a assinar o processo e, por conta disso, perderam as funções e os DAS, acabando no limbo. Pior para eles: cabo Odair José foi promovido a 1º Sargento (Diário Oficial nº 33817, de 06/03/2019).

Divulgação

Cartas marcadas

Transparência não é bem de raiz no Instituto de Saúde Social e Ambiental da Amazônia, aquele que, “iluminado pelo Espírito Santo”, passou a administrar o Hospital Regional Abelardo Santos. A OS “abriu & fechou” processo simplificado para contratação de assistentes sociais depois de divulgar o chamado PSS apenas em um site de empregos (imagens). Em seguida, na maior cara de pau, publicou banner informando pelas redes sociais tratar-se de fake news.  Só que não. O exame de cartas marcadas aconteceu hoje, 30.

Evidência zero

Os estudos de previsão utilizando redes neurais artificiais coordenados pela UFRA não demonstram qualquer evidência de uma terceira onda da Covid-19 neste momento, segundo o professor Jonas Castro, coordenador do grupo de pesquisa. Na verdade, os dados apontam redução de casos e demandas por leitos clínicos e de UTI. Contudo, esse vírus demonstrou claramente sazonalidade ímpar entre os dois picos já identificados.

Deus proverá

Segundo o pesquisador, qualquer afirmativa sobre uma eventual terceira onda da pandemia seria mera especulação, “ou por juntada de informações que ainda não são de domínio público para que se possa analisar”, acrescenta o professor Antonio Vallinoto, da Universidade Federal do Pará, virologista e membro da equipe de pesquisa. Tudo irá depender das medidas que estão sendo tomadas e sua eficiência, como a vacinação.

Vá entender

Rescaldo da live que reuniu recentemente o ministro dos Transportes, Tarcísio de Freitas e lideranças do setor produtivo do Pará no momento em que o governo do Estado lança seu rolo compressor contra a Vale, a partir da CPI da Assembleia Legislativa: a possibilidade de a mineradora ser autorizada a construir o trecho Marabá-Barcarena da Ferrovia Paraense. Pior, para transportar apenas e tão somente a própria produção da Vale. 

Fazendo figa

Observadores avaliam que a atuação do Grupo de Ações Penitenciárias no Sistema Penal do Pará pode ser um risco calculado, embora, a princípio, pareça importante. Como nova unidade policial, o risco é de o grupo resolver atuar fora dos presídios, haja vista que os presos têm estreitas ligações com organizações criminosas que estão fora das casas penais. Nesse caso seria inevitável um conflito com a força policial, mas só o tempo dirá.

Quem te viu

Definitivamente, Edmilson Rodrigues, sua turma histórica do PT e o Psol não são mais os mesmos. Nos idos da atuação parlamentar da década 1980 a 1990, e mesmo durante a sua passagem anterior na Prefeitura de Belém, nunca antes na sua trajetória política o alcaide de segunda viagem teve tanta afinidade com o MDB local, arranjos e divisão de espaços políticos. 

Quem te vê

Esta nova situação remonta à campanha em que o candidato dos Barbalhos, José Priante, já demonstrava desconforto com um possível jogo duplo que se mostraria decisivo em favor do prefeito eleito. No dia da eleição, o governador vestiu roxo, a cor do candidato do Psol, além de outras demonstrações de afinidades entre os grupos antes do embate final. 

Aqui jaz

Mandando a outrora ética de palanque às favas, Edmilson Rodrigues jamais se manifestou sobre os escândalos em série que têm se descortinado desde o infame episódio dos respiradores no âmbito do governo estadual. Como não comeu abiu, calou em nome de conveniências questionáveis, das quais se arrogava detentor em passado recente. 

Silêncio ensurdecedor 

Na esteira do adágio “quem cala, consente”, o grupo que comanda a Prefeitura de Belém deve saber que jamais a população irá esquecer quando os interesses individuais deles se sobrepuserem aos fatos que ainda podem vir e, pior, ele, Ed, e os seus acólitos tentarem, novamente, falar em combate à corrupção e outros discursos de ocasião.

Relações perigosas 

Observadores de plantão avaliam que Edmilson Rodrigues não terá vida fácil em seu projeto de reeleição, como não teve contra Duciomar Costa, em 2000. Naquela eleição, como na última, ele foi salvo da derrota por pesquisas supostamente manipuladas pelo Ibope. Outra nódoa que irá acompanhar o prefeito de Belém é a sua relação para lá de heterodoxa com empresas que atuam nas imediações de Seurb e Sesan – que o digam em público o que falam no privado seus opositores na Câmara de Belém.

  • Esboça-se no Pará a criação de uma espécie de “Gabinete do ódio”, com ações e reações que ultrapassam de longe a prática do “bateu, levou” do ex-presidente JBF – lembra?
  • Nessa empreitada, dizem atentos observadores, vale até o uso de “Perereca”, no caso, o blog da coleguinha Ana Célia Pinheiro, carinhosamente chamado “A Perereca da vizinha”.
  • A angústia e a agonia começam a tomar conta desses prefeitos quando pensam na possibilidade de ter que aguentar mais quatro anos de sofrimento e abandono.
  • A Prefeitura de Marituba distribui vacinas à base de 1,99, só pode. Idosos com a segunda dose marcada para o dia 14 de abril estão esperando imunizantes até hoje.
  • Passado um ano dos requerimentos protocolados na AP por vários sócios pedindo explicações sobre suspeitas de superfaturamento e obras pagas e não executadas no clube e nada.
  • Depois que hackers conseguiram sequestrar dados de projetos estratégicos da Apple, passando a exigir US$ 50 milhões para não divulgar informações vitais da companhia, ficou impossível crer na invulnerabilidade das urnas eleitorais.
  • O fato acabou servindo para dar uma “forcinha” à campanha pela auditabilidade do voto no Brasil.
  • Efeito da complacência da Prefeitura de Belém está na invasão da antiga área da Petrobrás, na Artur Bernardes: barracos são erguidos a olhos vistos e na maior tranquilidade.
  • Analistas da Polícia Civil do Pará alertam para o recrutamento de jovens pelo crime organizado. A continuar nesse ritmo,  Belém ficará muito parecida com o Rio de Janeiro.
  • Ação imediata da PM evitou assalto a uma banca de jogo do bicho em Oriximiná, oeste do Pará. É ou não é o avesso do avesso? Afinal, a banca nem deveria estar lá.
Divulgação
  • A Câmara dos Deputados aprovou a criação da Carteira Digital de Vacinação, vinculada ao CPF. O projeto recebeu substitutivo do deputado Celso Sabino (foto) e prevê o acesso à carteira pelo titular por meio de aplicativo ou equivalentes após cadastro no MS. 
  • Erramos: A disputa na OAB não será entre Luiz Viana e Felipe Santa Cruz, como saiu aqui, mas entre Luiz Viana e Alberto Simonetti, candidato de Felipe Santa Cruz.
  • Aliás, a coluna publica nesta edição, em Reportagem de Domingo, informações do “Correio Brasiliense” e da DCM assinadas pelos repórteres Sarah Teófilo e Felipe Miller sobre os bastidores da Ordem.
  • Após acordo do governo e oposição, a CPI aprovou em bloco 115 pedidos de informação a ministérios, governos estaduais, empresas e outras instituições.
  • O plano de trabalho divulgado mira vacinas, cloroquina, isolamento social e comunicação do governo.
  • O governo não pagará parte dos R$258,3 bilhões pela exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins, visto que o STF deve limitar temporariamente seus efeitos.
  • A votação da Reforma Tributária deve iniciar pela unificação do PIS/Cofins, ficando a Reforma  Administrativa para ser votada em maio.
  • A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara deve dar aval à Proposta de Emenda à Constituição que muda a composição do Conselho Nacional do Ministério Público. Seria uma troca entre Planalto e Calheiros para “suavizar” com o Executivo.
  • O problema no Pará é que, enquanto o contribuinte dorme, alguém está “fazendo empréstimos” de dinheiros públicos para o dorminhoco pagar. Durma com um barulho desses…
  • De grana, o governo do Estado vai muito bem, obrigado, mas, as prefeituras, coitadas… Segundo o TCM, mais de 60% delas estão enroladas até o pescoço para saldar compromissos com o funcionalismo público. Isso não vai acabar bem.

Deixe o seu comentário