Efeito colateral

MP deve ser acionado para investigar contratos
que beneficiam empresas do DJ Kleber Barros

Divulgação

Dia 13 de setembro, de 2021, 13 horas

A dinheirama derramada pelo governo do Pará nos cofres de duas empresas de propriedade do JD Kleber Barros, a Mídia Center Serviços e I. K. Barros – algo em torno de R$ 8 milhões em contratos celebrados com a Secretaria de Cultura e a Secretaria de Assistência Social, além da Funtelpa, Igeprev e Advocacia-Geral do Estado (https://colunaolavodutra.com.br/eles-tocam-a-gente-danca/) despertou um sentimento de revolta entre integrantes do segmento de eventos e similares em Belém. Trata-se de um setor onde dezenas de empresas se engalfinham para ganhar um trocado, especialmente nestes tempos de pandemia, mas os benefícios foram direcionados exatamente para o “amigo do rei” que, para completar, também é diretor de rádio do Grupo RBA, de propriedade da família de Helder Barbalho. O que se diz é que essa revolta será levada ao Ministério Público para as devidas providências.

Caminho das pedras

Proprietário de empresa do setor, J.C.D. entrou em contato com a coluna em busca de informações sobre os contratos que beneficiam o DJ Kleber Barros desde 2019. Segundo ele, “parece estranho que o Estado favoreça uma única empresa, inclusive com dispensa de licitação”, enquanto outras dezenas tentam sobreviver “com faturamento quase zero, ou sem faturamento”. “Além disso”, acrescenta, “os valores pagos não correspondem à realidade do mercado: são muito altos”. Bem, à coluna resta informar que o MP acaba de reestruturar o seu Grupo de Combate à Corrupção e o próprio governador Helder Barbalho criou, em 2019, a diretoria de Combate à Corrupção da Polícia Civil (foto acima: o governador, com Parsifal Pontes, Iran Lima e Pádua Andrade).

Diretoria define programação do Círio

Reunião prevista para esta tarde entre a Diretoria da Festa de Nazaré e o arcebispo de Belém, Dom Alberto Taveira, deverá bater o martelo sobre a programação do Círio. O anúncio oficial está previsto para esta quarta-feira. Hoje, a diretoria irá anunciar a desmontagem dos Arcos do Círio, como acontece tradicionalmente, para a aplicação das artes correspondente ao Círio 2021, mas isso não quer dizer muita coisa. Para os católicos que estão sem ir às ruas durante o evento desde o ano passado, por conta da pandemia, a palavra final será anunciada somente amanhã. O momento é de oração pela volta da Santa.

Primeiro desafio

O novo Comando de Policiamento Especializado da Polícia Militar do Estado, coronel Carlos Dória, começou a detalhar estudos com vistas a garantir, em meio a todas as incertezas, o que poderá ser um dos maiores Círios da história da Igreja no Pará no momento em que a pandemia de Covid-19 dá sinais de estar sob controle pelas autoridades de saúde do Estado. O comando é composto por sete unidades e mais de 850 homens. No caso do Círio, seja qual for o roteiro permitido para daqui um mês, o novo comandante se antecipa para evitar soluções de ultima hora.

Prefeito veta projeto sobre ficha limpa

Aprovado pela Câmara de Primavera, projeto que cria a instituição da Ficha Limpa no município foi sumariamente vetado pelo prefeito Áureo Gomes que, dizem, mantém na administração local 17 pessoas vinculadas à ex-prefeita e aliada, seis delas pertencentes à mesma família. O caso ganhou as ruas do município, causando revolta entre a população, pelo fato de que o projeto voltará a ser apreciado nesta sexta-feira pela Câmara, sem chances de aprovação. É que entre a decisão de vetar e o reenvio da proposta à Câmara, o prefeito convenceu os parlamentares de que o projeto “não é bem de raiz”.

Junto e misturado

Denúncias encaminhadas à coluna dão conta de que a ex-prefeita do município Cleuma Bezerra tem cargo na gestão Áureo Gomes, como também tem cargo o ex-secretário de Saúde Leo Oliveira, que vem a ser filho de ex-prefeito do município e aparentado com a ex-prefeita Cleuma Bezerra. Desse jeito, com tudo junto e misturado, o prefeito Áureo Gomes deve ter razão: ficha limpa em Primavera vai virar casa de marimbondo.

  • O abandono do Portal da Amazônia mostra sinais pela sujeira, presença de usuários de drogas, bancos quebrados e falta de fiscalização quanto aos excessos dos esportistas, sobretudo ciclistas e skatistas.
  • Os ladrões passaram a arrombar veículos com tanta frequência que o piso do calçamento fica repleto de estilhaços de vidros de carros.
Divulgação
  • No STF, o ministro Edson Fachin (foto) manifestou-se contra a tese do marco temporal para demarcações de terras indígenas. 
  • Nova ação da PF e Receita contra fraudes com as tais criptomoedas investiga a prática ilegal de pirâmide financeira, coisa que parece não acabar nunca.
  • Muita cocaína continua a ser exportada pelo Porto de Vila do Conde, em Barcarena. A solução está na necessidade de maior fiscalização dos contêineres e blitzen nos navios.
  • Se a Polícia quer saber quem furta fios de luz e telefone que vá ao Canal da Quintino Bocaiúva, entre a travessa Padre Eutíquio e a Apinagés.
  • As pontes do canal e o muro da Semob estão queimados pelas fogueiras acesas para queima dos fios e retirada do metal exatamente no quarteirão da Seccional da Cremação.
  •  Tomara que o texto-base do novo Código Eleitoral, que reformula legislações partidária e eleitoral, já no Senado, de fato reduza uma coisa que ninguém suporta mais: a judicialização das eleições. 

Deixe o seu comentário